Mixagem (básico)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

17112008

Mensagem 

default Mixagem (básico)




Olá a todos.

A pedido do ilustríssimo Sr. Chuck Noris.. resolvi escrever aqui um tópico para compartilhar com a comunidade algumas questões, dicas, gostos e técnicas de mixagem.
Uma área aonde todos nos possamos dividir conhecimentos teóricos e práticos sobre o assunto.

Primeiramente gostaria de dizer que estou muito honrado de ter ganhado esta primeira edição do concurso “mixa que eu gosto”, e parabenizar a todos que participaram.. e principalmente parabenizar os moderadores do fórum por terem essa ótima iniciativa em criar esse tipo de concurso, como deve ser de conhecimento de todos, trabalhar com áudio no Brasil não é fácil, e esse tipo de concurso ajuda muito tanto que esta começando, quando que já esta na luta.


Mas chega de lenga lenga... Vamos ao que realmente interessa!


Bom.. pra quem está começando antes de tudo o mais importante é ter algum conhecimento sobre equipamento e / ou plug-ins.

Vamos lá!


- Filtros e Equalizadores.


Tipos de filtros:

- HPF - High Pass Filter ou Low Cut: Aonde passam apenas as frequencias altas

- LPF - Low Pass Filter ou High Cut: Aonde passam apenas as frequencias baixas

- BPF - Band Pass Filter: é a associação dos dois filtros mencionados acima

- Shelving: Filtro em forma de tábua, aonde aumenta ou diminui todas as freqüências no mesmo volume, a partir da FC (freqüência de corte).

fc.: Freqüência de corte: é obtida no ponto de alteração de 3dB na amplitude e determina o limite da transição entre o sinal normal e o alterado.

- Peaking: Filtro de pico, um dos mais usados em equalizadores, pois é o que tem maior possibilidade de alteração de características, pode variar freqüência, largura de banda (BW ou Q) e amplitude. A freqüência central é a que sofre maior alteração de volume.


Equalizar nada mais é do que, alterar a curva de resposta de um sinal de áudio.
Praticamente como se fosse um botão de volume individual para cada freqüência, ou varias de uma só vez, dependendo do tipo de filtro utilizado.


- Tabéla de freqüências

20Hz á 200Hz: Peso
200hz á 1K: Corpo
1K á 6K: Presença
6k á 20k: Brilho


Processadores de Dinâmica


-Compressor.

Compressor nada mais é do que um botão de volume automático.

Existem alguns parâmetros que devem ser entendidos para que o compressor seja utilizado corretamente.


- Threshold: é a referência, ou seja, a partir de Quando o compressor será acionado

- Ratio: é a taxa de compressão, Quando deve ser abaixado (dependendo ta taxa escolhida; 2:1 / 3:1 / 4:1 / 10:1 ∞:1) depois que o sinal ultrapassa o threshold.

∞:1= Limiter

- Attack: é o tempo que demora para que a amplitude seja baixada.

- Release: é o tem que demora para que a amplitude volte ao normal.

- G.R. Meter: indica a quanto é atenuado em dB.

- Sidechain: é uma entrada alternativa que existe em alguns compressores, aonde possibilita que a compressão seja acionada a partir de um sinal externo.


- Modos de compressão.

- Hard Knee – comprime só quando o sinal ultrapassa o threshold.

- Soft Knee – começa a abaixar um pouco antes do sinal ultrapassar o threshold.

- Tipos de compressão

- Peak – é possível controlar attack e release.

- RMS – attack e release são determinados pelo compressor.



-Gate.


Gate, traduzindo seria portão. Ele é um controlador que abre ou fecha a passagem do sinal.

Os parâmetros são quase os mesmo do compressor.


- Threshold: é a referência, ou seja, a partir de Quando o gate será acionado

- Attack: é o tempo que demora para abrir o sinal.

- Hold: é o tempo que o sinal fica aberto.

- Release: é o tem que demora para que fechar o sinal.

- External Key: basicamente tem a mesma função do sidechain, faz com que o sinal seja aberto ou fechado por um sinal externo.

- Range: quanto será atenuado o sinal no momento do fechamento do gate.

- High Filter (HF) e Low Filter (LF): são filtros seletivos que são utilizados em conjunto com o External Key. Atravé deles é possível que faixa de freqüência pode abrir o gate.


É importante ressaltar, que nem todos os aparelhos, e plug-ins possuem todos estes parâmetros.


Bom.. Compressores e equalizadores são grandes aliados numa mixagem. E exigem algum estudo.
Treinamentos auditivos são essenciais. Para equalizadores é interessante pegar uma faixa de qualquer instrumento, e com um Eq gráfico ir aumentado ou diminuindo freqüência por freqüência. Isso ajuda a identificar o que cada freqüência pode mudar, em termos de característica o som de um instrumento. Facilita muito na hora de equalizar na mix.
Com o compressor é a mesma coisa.. é preciso perceber deve ou não ser usado. E exige um pouco mais de treino. Que pode ser feito da mesma forma, assim como o gate. Um exercício legal para gate, é utilizar uma faixa com muito vazamento do chimbau, e tentar deixar apenas o som da caixa passar. Um bom exemplo é a caixa da vinheta do concurso!


Botando a mão na massa!


Então meus amigos. Acredito que este seja o basico para começar uma mix.
Depois que você fez um treinamento auditivo, sabe o que pode ser feito com os equipamentos e plug-ins que você tem em mão...
Você olha pra aquela mixagem... 24 canais e não sabe por onde começar. Então.. o que fazer???

Primeiro de tudo. Se é uma mix sua.. e você tem a total liberdade de fazer o que quiser... vá em frente! Aproveite pra girar o Maximo de botões que você conseguir. Só assim você vai entender como cada coisa funciona.

Se não.. Converse com a banda.. Veja o que eles tem em mente.. peça algumas referências musicais.. Estude cuidadosamente. Se o som que eles querem é mais seco, com muita ambiência, Muitos efeitos, se a mix deve ser mais aberta ou mais fechada.

Então chegou a hora de começar de verdade!
(Tenha certeza que sua referência auditiva é boa, no caso Fone ou Monitor. Que você conhece.. se está em algum estúdio aonde nunca mixou antes, escute alguma musica que você conheça bem.)

E então.. escute a musica inteira.. com todos os canais abertos, e com o pan no centro.
A partir daí.. você vai conseguir perceber o que deve ser aumentado ou abaixado, aonde cada instrumento deve estar. Então faça isso!
Regule os volumes e pans com.. essa é a fase de pré mixagem. Aonde você vai criar um mapa de como deve soar a musica.

Bom.. eu particularmente sempre começo pelo bumbo, depois caixa.... etc.. depois baixo, guitarras, piano, cordas, voz....
Mas já vi gente começar pela voz e daí por diante.. não tem regra, faça como você se sentir mais à-vontade.

Então você deixou a mix bonita! Daquele jeito.. mas ta meio seco ainda ne? Meio sem graça... então está na hora de utilizar o que você aprendeu anteriormente.

Começando por equalizadores.. que tal?

Equalize o bumbo.. qual freqüência está sobrando? Aumentar mais o som do kick... falta peso? Tem que casar o som do bumbo com o baixo? Isso tudo vai depender da musica.. E existe vários casos.. só com treino se pega o jeito.

E cada instrumento por diante.. limpar o som usando um High Pass na faixa da guitarra, ou dar um pouco mais de corpo utilizando um filtro peak entre 200hz e 1k.

E é isso experimente...

Depois que tal compressor?

O baterista não tinha o pé tão firme assim e a pegada do bumbo é diferente em alguns momentos da musica? Por que não comprimir para deixar ela um pouco mais sólida?

Ou.. que tal utilizar o compressor para fazer uma compressão paralela e deixar a bateria com mais peso?

Usar o compressor na voz para nivelar os picos..

Ai é você quem vai comandar meu nego!


Mas importante... lembre-se sempre.. musica tem dinâmica.. não vá assassinar de forma que a musica fique reta! Ouvimos por ai no mercado musical muita coisa comprimida.. em alguns casos distorcendo até.. por quererem que a musica toque cada vez mais alto... acabando assim com a dinâmica. Cabe a nos futuros técnicos e produtores, não deixarmos que isso continue.

Bom..
Continuando... ta tudo lindo maravilhoso.. Você conseguiu deixar o guitarra com aquele timbre fudido! O baixo casando com o bumbo.. a bateria ta animal, o vocal ta afinado. No volume certo. Mas ta tudo junto ali.. a sala ficou pequena pra banda inteira tocando junto...

Então ta na hora de ambientar a sua mix meu rei!

Mas primeiro vamos falar um pouco sobre Efeitos!


- Delay.

Delay é a relação entre o som direto x o som refletido.
É um efeito essencial na música, independentemente do gênero musical.

Os parâmetros são.

- Delay Time: é o atraso. Medido em mile segundos (ms)


- Feed Back: é quantidade de reflexões. Medido em porcentagem (%)

- Mix: é quanto de efeito sai. Medido em porcentagem (%)

Bom o delay pode provocar alguns efeitos... vamos lá

0 á 10ms

- cancelamento de fase
- som de cano ou tubo
- som de robô ou computador
- som metálico

10 á 20ms

- som de cano ou tudo
- som de mola
- cubículos : pequena ambiência
- efeito hass

20 á 30ms

- pequena ambiência
- efeito hass

30 á 80 ms

- ambientes médios
- Dobra

acima de 100ms

- grandes ambientes
- eco

Para ter o eco no tempo da musica, basta fazer o calculo 60.000ms / (dividido) por BMP (tempo da musica)


- Reverb.

Reverb é o som que continua sendo refletido num espaço depois do som original já ter acabado.
Esse efeto serve para criar característica de ambientes na musica, e dar a ilusão de espaço e profundidade no som.

Os parâmetros são.

- Reverb Time: tempo de reflexão

- Pré Delay: é o tempo antes do efeito ser disparado, ajuda a dimensionar a sala

- LPF ou HPF: Filtros que atuam antes do efeito.

- Low Damping ou High Damping: amortecimento das frequencias

- Density: densidade da sala. Medido em porcentagem (%)

- Difusion: o quando o som vai ser difundido no ambiente. Medido em porcentagem (%)

- Size: tamano da sala. Medido em metros quadrados

- Mix: é quanto de efeito sai. Medido em porcentagem (%)

- Early Reflection: são as primeiras reflexões, o parâmetro mais importante pois, determina a posição do instrumento na sala.

- Tipos de Sala

- Room: sala pequena ou média, tem a intenção de soar um ambiente caseiro
- Hall: sala de grande porte, ambientes amplos, Igreja por exemplo
- Chamber: sala de grande porte, câmaras de concerto
- Plate: sala pequena com superfícies muito reflexivas
- Ambiente: som ambiente




Bom.. a partir daí é só experimentar o que cai melhor na musica.. Pode se criar uma sala diferente para cada instrumento.. Mas deve se tomar alguns cuidados, para que a mix não fique congestionada de efeitos.. Tente dosar bem para que soe natural como se a banda estivesse mesmo tocando no mesmo ambiente, para que os efeitos estejam sincados com a musica.

Enfim você terminou o trabalho.. a musica não sai mais da sua cabeça de tantas vezes que você ouviu.. mas ainda não acabou.. é importante sempre utilizar um analisador de espectro no máster para enxergar se aquilo que você está ouvindo, é realmente o que você está ouvindo. E checar o equilíbrio das freqüências

Pode-se utilizar um compressor no máster, assim como um equalizador.. caso seja necessário da um pincelada em algumas freqüências para equilibrar a mix, e também efeitos.. por que não? É possível utilizar alguns efeitos para abrir um pouco mais o panorama da mixagem..


Bom por enquanto é só.. era pra ser um pequeno texto.. mas ainda há muito a ser explicado. o meu intuito não é ensinar a mixar.. pois por um tutorial não se aprende... mas sim abrir a mente pra que está começando começar a entender os conceitos basicos..
Esse foi apenas um resumo de algumas noções básicas sobre mixagem.
Espero em breve escrever sobre a disposição espacial dos instrumentos na mixagem., assim como algumas técnicas e efeitos que podem ser criados..

Espero que tenham gostado..
E se tiverem alguma duvida... sugestão ou critica.. estou a disposição!


ABRAZ

backar
calça mijão

VIP :
Número de Mensagens : 24
uma verdade: : a verdade está lá fora
uma música boa: : todas do thrice
uma música ruim: : é ruim mesmo...
- : Vencedor da competição Mixa Que eu Gosto

Voltar ao Topo Ir em baixo

Compartilhar este artigo em: BookmarksDiggRedditDel.icio.usGoogleLiveSlashdotNetscapeTechnoratiStumbleUponNewsvineFurlYahoo!Smarking

Mixagem (básico) :: Comentários

Mensagem em Qua Nov 19, 2008 4:48 pm por Magu

Cara, Meus parabens pela sua mix... demais...

e ótimas dicas. valeu mesmo!

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Qui Nov 20, 2008 5:32 am por regional.producoes

Meus parabems, grande dica, quer disez: uma aula de muita utilidade e certificação do seu conhecimento.
VALEU.
Ilson Brito.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Qua Nov 26, 2008 6:35 am por Blaudemir

Olha valeu mesmo as dicas eu estava precisando (parabens)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Qua Nov 26, 2008 10:36 am por playpause

VLW BROTHER!!!

é de muita valia pra mim todos estes parametros... muito obrigado!

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Qua Nov 26, 2008 1:50 pm por backar

Fico feliz com a receptividade!
se tiverem duvidas estou a disposição
abrazz

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Qua Nov 26, 2008 8:35 pm por allneri

Legal as dicas, Backar, é um panorama bastante interessante das ferramentas que temos para mixar. Cada um faz do seu jeito, mas no final das contas sempre existem padrões que podem ser repetidos e aprendidos com os mais experientes.
E vim perguntar a você, mas os administradores podem ajudar se tiverem mais informações. Não sei se isso é problema da mixagem ou da masterização, mas talvez você tenha se deparado com ele:

Eu quero saber como você tenta resolver o problema da clipagem dos sinais, ou seja, no caso do sinal ultrapassar mesmo que por fração de segundos os 0dB.

Só para quem não tá entendendo, se o som final ficar acima do 0dB, alguns programas de reprodução ou mesmo um CD digital comum não conseguem ter resolução suficiente, e qualquer valor acima do 0dB vira automaticamente 0dB, distorcendo terrivelmente o sinal em alguns casos. A maioria dos mixers monitora esse sinal global, num medidor do tipo VUmeter (sempre tem um led vermelho quando se ultrapassa o 0dB do sinal global de saída).

Enfim, nivelar o sinal final em 0dB num VU meter é moleza, taca-lhe um limiter no master effects e voi là, resolvido. No entanto (sempre existe um porém) eu uso o Inspector IXL para monitorar o resultado final, e ele sempre mostra clipagem no mix, às vezes 1 ponto, 3 pontos, às vezes 150 pontos depois que eu deixei tudo como queria! Esse problema da clipagem tem consumido muito meu HH durante a mixagem.

Esse problema é muito crítico? Pelo que li, eu acho que é, portanto me preocupo.

Eu tenho tentado resolver seguindo uma dica que vi no harmony-central.com, alterando a forma de onda da faixa que está produzindo o clip (em geral o vocal, que varia muito de amplitude, e já tive casos do baixo também), mas isso dá muito trabalho. Tentei comprimir o sinal com ataque de 20 microssegundos e nada, continua clipando. Mesmo um limiter no sinal não pega! E se eu reduzo o volume da faixa para eliminar o clip, estrago o mix!

E aí, você resolve como? Deixa isso para resolver na masterização e corrigir o sinal completo?

Grato,

Allneri

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Sab Nov 29, 2008 10:50 pm por backar

Allneri!

vamos lá.. vejamos se eu consigo dar um luz pra você..

Bom.. antes de tudo.. acredito que você esteja falando sobre áudio digital, não envolvendo equipamentos analógicos. certo?
pois se houver, vale a pena ressaltar que:

0dB não tem o mesmo valor no analógico e no digital. isso tudo depende do nível operacional do equipamento.
no caso do analógico o 0dB no VU se trata de 4dBu ( para equipamentos balanceados ou -10dBv para equipamentos desbalanceados.

nos mixers analógicos é possível passar o nivel do 0 dB pois, geralmente apos o 0dB ainda existe um headroom consideravel antes de distorcer, isso varia de mixer para mixer.

o 0dB do digital seria 0dBfs (Full scale ou escala cheia), então no digital não temos headroom. veja que há diferenças. são tipos diferentes de dB.

Por exemplo:

se vc tem um Pre-amp, que tem um headroom de +14dB ultilizando uma interface digital o 0vu do pre amp seria ajustado para -14dB no digital. Para que assim exista um headroom artificial no digital.


bom.. eu tambem uso o IXL para monitoração.
como disse no post costumo começar a mix sempre pela bateria.
então começo pelo bumbo e deixo o nivel dele batendo em aproximadamente uns -12db (isso não é regra) e a caixa tambem.. e vou nivelando o resto de acordo com isso. O porque disso?

bom isso me garante que no final da mixagem ainda vai me sobrar um headroom consideravel para a adição de efeitos, equalizadores e os ajustes finais.

outra coisa.. Não é lei fazer a musica bater exatamente em 0dB. musica tem que ter dinâmica!!!
e sempre me preocupo em deixar no maximo uns 6dB de headroom no final da mix quando quando a musica vai ser encaminhada para master.

algumas dicas. verificar se o motivo da distorção ou Clip não está na raiz. quer dizer, no sinal que foi gravado, em algum plugin que foi ultilizado.
outro ponto. não é por que acendeu a luz vermelha que clipou ou distorceu. mesmo nas plataformas digitais existe um "headroom" entre aspas pois não se pode abusar dele. lembrando que estamos falando de audio, então o que importa é OUVIR! e não ver. claro que enxergar o que está acontecento é importante. mas clip mesmo é possivel ouvir.

é possivel resolve de um modo simples.
ultilizando um compresor no master, é só regular o Threshold em 0dB ultilizar um ataque rapido, release rapido e um taxa de compresão rasoavel, isso vai evitar alguns clips, não vai deixar o som passar do 0dB mas não vai comprimir a mix.

existem tambem os compresores multi banda que comprimem por faixa de frequencia.
eu acho muito mais facil ultilizar um equalizador. afinal o compresor tem o mesmo papel de um botão de volume, ele só é automatico.
e outra coisa.. se tem alguma faixa de frequencia muito mais alta do que outra, dependendo do tipo de musica pode ter certeza que tem algo errado. tem algo errado com o equilibrio das frequencias


ou então... mais simples.
abaixar um pouco o master.



mas voltando ao problema que vc citou. no vocal que varia amplitude pode ser usado um compresor. de forma correta vc consegue com que o sinal tenha uma amplitude mais controlada e que não soe comprimido o mesmo com o baixo.
ou se vc sabe aindo ocorre o problema é possivel fazer uma automação de volume ao invez de abaixar o volume todo da faixa

mas se um limiter não pega o clip... algo está errado

algumas perguntas

o IXL está sendo colocado apos o limiter?
que programa vc usa para mixagem?

bom.. por final.
deixar problema pra ser corrigido na master é fazer serviço mal feito.
a master não serve para arrumar cagadas e sim pra fazer pequenos ajustes no que já está bom. dependendo da mix pode até não existir master. a master seria como uma polida final só pra garantir o brilho.

bom é isso espero ter ajudado.
Abrazzz

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Dom Nov 30, 2008 3:39 pm por potain

muito boa review agradeço imenso a tua ajuda. agora sim o cubase faz muito mais sentido:D

obrigado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Dom Nov 30, 2008 5:20 pm por allneri

Você já deu umas duas ou três dicas sobre o que eu posso estar errando, deixe-me conferir aqui se o resultado é outro e depois eu comento. De todo modo, já agradeço!

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Dom Nov 30, 2008 6:17 pm por backar

potain escreveu:muito boa review agradeço imenso a tua ajuda. agora sim o cubase faz muito mais sentido:D

obrigado

estamos aqui para o que precisar.
afinal pra que serve a comunidade, se não para dividir os nossos conhecimentos!



allneri escreveu:Você já deu umas duas ou três dicas sobre o que eu posso estar errando,
deixe-me conferir aqui se o resultado é outro e depois eu comento. De
todo modo, já agradeço!


fico aguardando!
vamos ver se conseguimos solucionar o seu problema!



abrazzz

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Qua Dez 03, 2008 10:18 am por allneri

Backar, outra vez agradeço.
De fato a ordem dos fatores altera o produto. O IXL estava antes do limiter no master effects, e por isso estava pegando todas as clipagens. Só fiz trocar a posição e os clips desapareceram. Fiz uns testes e em todos os efeitos, insert, send ou master, a ordem é seguida, o que fica no alto é aplicado primeiro, e vai descendo na seqüência. Reli o manual do Cubase e não achei essa informação, e apesar de ser aparentemente óbvia, isso é só depois que a gente sabe!
Eu trabalho com áudio digital, então é esse processo simulado mesmo que você descreveu.
De fato eram sample clips, o áudio certamente não estava sendo impactado porque era praticamente imperceptível, só um grande ouvido perceberia, mas enfim, é um cuidado que temos que ter. Tinha uma mix meu que estava com mais de 1000 sample clips, esse certamente teria problemas ao passar para um CD!
Gostei da dica de não se preocupar tanto com o 0dB, de fato isso sim pode ser resolvido na masterização, né? O trabalho de montar o nível sonoro definitivo e concatenar as músicas diferentes para se tornarem um álbum só tem que ser resolvido lá.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Qua Dez 03, 2008 3:34 pm por backar

Allneri

Fico feliz em ter ajudado!!

realmente a ordem dos fatores altera o resultado!
eu não tenho tanto conhecimento em Cubase, utilizo o Pro Tools mas os programas para edição e mixagem de áudio são bastante similares.

a dica do 0dB eu sempre gosto de frisar pois hoje em dia no mercado saturado a "briga" pelo som mais alto é muito forte. E com isso perde-se muito em qualidade por um exemplo que acho que já dei no tópico inicial da competição. imagine uma musica saturada é compactada em mp3 e utilizada numa rádio aonde é comprimida novamente para ser tocada.
Nas Rádios Fm a faixa de freqüência vai de 50h à 15k e tem uma faixa dinamica de aproximadamente 90 dB.
o sinal de áudio trafega dentro de uma onda portadora.
no transmisor existe um filtro utilizado para pré-ênfase aonde os agudos são almentados. e no receptor aonde é realizado a dê-ênfase os agudos são filtrados na mesma proporsão e junto com isso os ruidos da transmisão nesse processo pode se reduzir até 3dB.
Na transmisão o sinal pe comprimido na faixa de 50dB e no receptor ele é expandido no nivel original.

agora imagine depois de todo esse processo o que acontece com as musicas já saturadas.

alem do mais como citei antes. musica tem que ter dinâmica. imagine comprimir uma peça de musica classica com todo dinamismo e controle de volume?
e esse controle de qualidade cabe a nós técnicos e produtores de áudio. de que adianta gravar uma musica em altissima qualidade tomando o maximo de cuidado na mixagem com cancelamento de fase, equilibrio de frequencias, estrutura de volume correta. para que na ponta final disso tudo o produto seja de má qualidade?

com relação à masterização. como já citei antes. ela serve apenas para minimas correções. se uma boa mixagem é executada pode acontecer dela passar pela master sem ser mexida.

bom é isso.

estamos a disposição!

Abrazzz

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Sex Fev 06, 2009 6:26 am por jacksonjust

Serà que essas dicas serve também pra quem usa o SONAR 7?

Grato

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Sex Fev 06, 2009 7:03 am por Uuk

com certeza
essas dicas são sobre mixagem, não sobre um programa específico

todos os programas fazem, basicamente, a mesma coisa

a escolha de qual programa você vai usar pra mixar é totalmente pessoal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Seg Ago 09, 2010 12:59 am por felic123

Mto bom

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Seg Out 07, 2013 9:52 am por arthuremanuel

valeu!

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem Hoje à(s) 1:25 pm por Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum